CPI DA COVID-19

Ex-presidente da BHTrans e secretário de Planejamento são intimados a depor

Foco é superlotação dos ônibus na pandemia e doações à PBH. Consulta on-line e publicidade do serviço também são questionadas

quinta-feira, 16 Setembro, 2021 - 11:45
Foto: Cláudio Rabelo/CMBH

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 aprovou na manhã desta quinta-feira (16/9) a convocação do ex-presidente da BHTrans Célio Bouzada e do secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, André Reis. Nos pedidos que embasam as oitivas os parlamentares solicitam esclarecimentos, respectivamente, sobre a responsabilidade do Executivo e da BHTrans, na exposição dos usuários do sistema de transporte público em coletivos superlotados ao vírus da covid-19 e sobre o depoimento que o dono do Shopping Oi, Mário Valadares, deu à CPI no último dia 9. Ainda sobre este depoimento, a CPI decidiu por intimar também o gerente de Contratação de Serviços Gerais e de Engenharia, Leonardo Vilete Matos. A comissão ainda aprovou pedidos de informações acerca do atendimento remoto de pacientes com covid-19 e dos gastos publicitários realizados com esta plataforma. Confira aqui o resultado completo da reunião.

Covid-19 nos ônibus e repasse na pandemia

Aprovada pela CPI, a intimação do ex-presidente da BHTrans Célio Bouzada é de autoria de Flávia Borja (Avante) e Nikolas Ferreira (PRTB). Na ocasião, o ex-dirigente da empresa deverá prestar, pessoalmente, informações sobre a responsabilidade do Poder Executivo e da BHTrans na exposição ao vírus da covid-19 dos usuários do transporte público, que durante a pandemia circularam superlotados.

Segundo o presidente da CPI, Professor Juliano Lopes (Agir), a oitiva também irá contribuir para esclarecer o repasse de R$ 220 milhões que o Município fez às empresas de transporte coletivo para garantir a circulação dos ônibus durante a pandemia. “Isso precisa ser esclarecido porque as empresas cortaram, por exemplo, os horários noturnos. A Prefeitura estendeu o funcionamento dos bares e restaurantes, mas a cozinheira, o garçom e o caixa não têm ônibus para voltar para casa. Não é que é de hora em hora, simplesmente não existe”, afirmou.

Ainda debatendo o assunto, Irlan Melo (PSD) considerou pertinente que uma data também seja pensada para ouvir o atual presidente da BHTrans, Diogo Prosdocimi. Já a oitiva de Bouzada deve ocorrer no próximo dia 23, às 9h, no Plenário Helvécio Arantes.

Mediador da doação

E buscando ainda entender como se deu a negociação que resultou na doação por parte do dono do Shopping Oi de ventiladores pulmonares adulto e pediátrico, bem como peças a estes equipamentos, à Prefeitura, a CPI irá ouvir no próximo mês o secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, André Reis, e o gerente de Contratação de Serviços Gerais e de Engenharia Leonardo Vilete Matos. Os gestores foram citados por Mário Valadares durante o depoimento dado à CPI, no último dia 9. Na ocasião, a CPI realizou uma acareação entre o empresário e o subsecretário municipal de Administração e Logística da PBH, Breno Seroa Motta, citado inicialmente como sendo o intermediador da doação. Valadares, porém, disse que havia se equivocado e que sua conversa teria sido com André Reis.

A convocação de André Reis e a intimação de Leonardo Matos, ambas requeridas por Professor Juliano Lopes, Nikolas Ferreira e Flávia Borja foram agendadas, para às 9h, no Plenário Helvécio Arantes, respectivamente para nos dias 7 e 10 de outubro.

Consultas on-line e publicidade do serviço

Ainda no contexto das ações para o enfrentamento da covid-19 na cidade, outros dois pedidos de informação foram aprovados e dizem respeito à plataforma criada pelo Município para disponibilizar consultas on-line para a população. De autoria de José Ferreira (PP), ambos os requerimentos são dirigidos ao prefeito Alexandre Kalil (PSD) e um deles pede dados sobre os gastos realizados com a publicidade da plataforma. Já o segundo, visa esclarecimentos acerca das equipes de profissionais que estão deslocados para realizar este atendimento remoto.

Segundo José Ferreira, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) havia informado que ao menos 85 servidores foram colocados nesta função, dentre eles dentistas, auxiliares dentários, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais. “O objetivo então é entender porque estes profissionais foram fazer este atendimento. Se estamos tratando de covid, porque foram colocados dentistas e auxiliares?”, questionou.

O parlamentar ainda lembrou que dados sobre os gastos com publicidade também já foram pedidos, e que a SMS informou apenas que foram feitos anúncios em rádios e na internet. “Quero saber quais são os valores gastos”, frisou.

Além dos parlamentares citados, participaram da reunião, Bruno Miranda (PDT) e Jorge Santos (Republicanos).

Assista ao vídeo com a íntegra da reunião.

Superintendência de Comunicação Institucional

22ª Reunião - Comissão Parlamentar de Inquérito - CPI : COVID-19