OITIVAS

Subsecretário da PBH será ouvido sobre doações de ventiladores pulmonares

CPI da Covid-19 também ouve, na segunda (16/8), o dono da Basic Promo Clothing, empresa que forneceu máscaras de tecido à Prefeitura

sexta-feira, 13 Agosto, 2021 - 13:00
Foto: Agência Brasil/EBC

Com o objetivo de buscar mais informações sobre a doação de equipamentos e ventiladores pulmonares feita pelo empresário Mário Valadares, dono do Shopping Oiapoque, à Prefeitura, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, vai ouvir, na próxima segunda-feira (16/8), a partir das 9h, o subsecretário de Administração e Logística da Prefeitura, Breno Serôa da Motta. Breno foi citado por Valadares em seu depoimento, quando o empresário explicou que parte da doação feita à PBH foi tratada diretamente com o subsecretário e não era de conhecimento de Jackson Machado, secretário municipal de Saúde. A CPI vai ouvir, também na segunda, às 10h, o empresário Eneas Silva Dias, proprietário da empresa Basic Promo Clothing, que vendeu a preço mais baixo máscaras de tecido para o Município, em maio do ano passado. A oitiva do empresário estava agendada para o dia 5 de agosto, mas o depoente apresentou atestado médico justificando sua ausência.

Doação de ventiladores pulmonares

O dono do Shopping Oi prestou depoimento no dia 15 de julho à Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga os gastos da PBH no combate à covid-19. Em sua oitiva, Mário Valadares deu esclarecimentos aos vereadores sobre a doação de 25 unidades de peças para ventilador pulmonar adulto; 5 para ventilador pulmonar pediátrico; 15 para ventilador pulmonar, válvula expiratória; 15 para ventilador pulmonar, diafragma da válvula expiratória e 8 unidades de ventiladores pulmonares.  A doação foi feita em julho de 2020, mas o extrato do processo só foi publicado no Diário Oficial do Município (DOM) no dia 1º de junho de 2021.

O empresário confirmou que o secretário de Saúde, Jackson Machado, só teria ciência da doação dos 8 ventiladores pulmonares e que todo o restante foi tratado com outros servidores, entre eles, Breno Serôa da Motta, subsecretário de Administração e Logística, órgão ligado à Secretaria Municipal de Fazenda de Belo Horizonte. Para esclarecer os trâmites desta doação, o servidor prestará depoimento à CPI na segunda-feira (16/8), às 9h, no Plenário Helvécio Arantes. Breno Motta é graduado em Ciências Contábeis e servidor efetivo da Prefeitura de Belo Horizonte, com trajetória nas Secretarias Municipais de Fazenda, de Governo e de Planejamento.

Oitiva sobre compra de máscaras ocorre na sequência

Também será ouvido, no dia 16 de agosto (segunda-feira), às 10h, o representante legal da empresa Basic Promo Clothing, Eneas Silva Dias, que forneceu 100 mil máscaras de tecido para a Prefeitura, em maio do ano passado. Eneas já tinha sido convocado para prestar esclarecimentos, mas enviou atestado médico à CPI justificando sua ausência. A Basic Promo Clothing foi contratada pela Prefeitura Municipal de Belo Horizonte para fornecer 100 mil máscaras de proteção individual, confeccionadas em tecido, com o valor unitário de R$ 1,99 e valor total de R$ 199 mil.

As máscaras foram compradas pela Prefeitura como medida adicional na contenção da covid-19. Os equipamentos de proteção foram distribuídos às populações mais vulneráveis, com destaque aos moradores de vilas e aglomerados que sofrem maior risco de contaminação pela dificuldade de isolamento social. A PBH adquiriu um total de 2 milhões de máscaras de proteção individual de nove diferentes empresas. A Basic Promo Clothing apresentou o valor unitário mais baixo pela máscara.

Superintendência de Comunicação Institucional