AUDIÊNCIA PÚBLICA

Em pauta, Projeto de Vida, papel do Estado e formação de carreira na Educação Básica

A reunião é nesta quinta, às 13h, no Plenário Helvécio Arantes, e a população pode participar por meio de formulário eletrônico

quarta-feira, 1 Setembro, 2021 - 13:30
Em pauta, projeto de vida, papel do Estado e formação de carreira na Educação Básica
Foto: Karol Barreto / CMBH

A responsabilidade do Estado na efetivação do direito a uma educação com qualidade social será foco das discussões, em audiência pública da Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura, Desporto, Lazer e Turismo, nesta quinta-feira (2/9), às 13h, no Plenário Helvécio Arantes. Segundo a vereadora Macaé Evaristo (PT), que requereu a audiência, o objetivo do encontro, que terá como tema “Projeto de Vida, Papel do Estado e Formação de Carreira na Educação Básica”, é qualificar o debate em relação ao papel do Poder Público na garantia de condições de aprendizagem e de criação de projetos de vida e carreira para jovens estudantes, tendo como princípio a universalização do acesso à educação básica, a multiplicidade de concepções e a formação integral de seus sujeitos. A audiência será transmitida ao vivo pelo Portal CMBH e a população também pode participar enviando perguntas, comentários e sugestões por meio do formulário eletrônico já disponível. 

A requerente aponta a necessidade e urgência de uma reflexão crítica acerca do Projeto de Vida na Educação, conceituando-se diferenças dentre aqueles que acreditam que o projeto de futuro se baseia em projetos arquitetônicos, políticos ou educativos. 

Para a vereadora, o Projeto de Vida não é um cálculo matemático, resultado de processos lineares ou base de uma psicologia comportamentalista; mas um projeto dinâmico, que deve considerar a multiplicidade e singularidade dos educandos. A parlamentar acrescenta, ainda, que este não deve ser pressuposto para a individualização da responsabilidade pelo "sucesso" ou "fracasso" escolar; e no mercado de trabalho, da alienação das condições sócio-históricas, com a redução da dimensão humana dos alunos nas escolas públicas, transformados em meros “consumidores” e não sujeitos de direito. “Desta forma, a responsabilidade do poder público é garantir condições ideais de vida e de aprendizagem aos estudantes, bem como proteção integral à criança e ao adolescente”, conclui.

Convidados

Foram convidados para a audiência a coordenadora-geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), Denise de Paula Romano, a representante do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte (Sind-Rede/BH), Vanessa Portugal, o professor na Educação Básica e integrante do grupo Territórios, Educação Integral e Cidadania da Faculdade de Educação da UFMG (Teia da UFMG), Paulo Felipe Lopes de Carvalho, a professora e integrante do Teia, Barbara Ramalho, o economista e co-fundador do Instituto Economias e Planejamento e Sócio-da Apó Consultoria Territorial, Wesley Cantelmo, a representante da Associação de Mães, Pais e Responsáveis de Estudantes da Educação Municipal de Belo Horizonte (Ampare), Iara Fernanda Balbino, a professora da Rede Municipal e membro do Conselho Municipal de Educação de BH, Talita Barcelos, e o professor da Rede Estadual, Wladmir Coelho.

Superintendência de Comunicação Institucional

 

 

Tema: