MEIO AMBIENTE

Intervenções em bacia levam poeira e mau cheiro ao Bairro Tirol

Em visita técnica, PBH se comprometou a mitigar o problema. Vereadores também cobraram poda de árvores que ameaçam cair

quinta-feira, 12 Julho, 2018 - 16:45
Foto: Taís Alves

A bacia dos córregos Olaria e Jatobá, no Bairro Tirol, região do Barreiro, e trecho arborizado da Avenida Maria Júlia de Lima, no Betânia, foram vistoriados pela Comissão de Meio Ambiente e Política Urbana, nesta quinta-feira (12/7). No Tirol, os moradores reclamaram da poeira e mau cheiro ocasionados por intervenções de manutenção da bacia. A Sudecap comprometeu-se a intensificar o trabalho dos caminhões-pipa e garantir que eles sejam telados, do intuito de mitigar o problema. Já na visita ao Bairro Betânia, a comunidade relatou que árvores de grande porte com raízes expostas e sob risco de queda, vêm preocupando a população. Salientando o recebimento de solicitações dos moradores para poda e supressão de algumas árvores, posterior avaliação técnica e retorno imediato à população, a gerência de Infraestrutura Urbana Oeste garantiu que as demandas apresentadas já estão incluídas na programação da Prefeitura. A visita foi requerida pelo vereador Irlan Melo (PR).  

Na visita à Bacia dos córregos Olaria e Jatobá, os moradores reclamaram que não têm acesso a informações sobre a obra, como custos, prazos e profissionais responsáveis. Eles disseram que a poeira gerada e o mau cheiro prejudicam muito o comércio da região, pois os caminhões não circulam com a frequência necessária na região e trabalham sem tela. Outro problema apontado foi que a água da bacia encontra-se, hoje, no mesmo nível do córrego, empoçando e causando riscos à saúde das pessoas. 

Ações da PBH

De acordo com o gerente de Obras da Sudecap, Adriano Morato, a Olaria é uma bacia de detenção de cheias, construída com o objetivo de represar águas pluviais. Quanto ao mau cheiro e ao esgoto, o gestor disse que a Copasa deve ser acionada, a fim de verificar se  está sendo lançado esgoto clandestino na bacia. Ele esclareceu que a obra já foi concluída e que, anualmente, durante a época das chuvas, a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) realiza a manutenção da bacia, removendo todo o material depositado no fundo da mesma, para que seja mantida a vazão no próximo período chuvoso.

Para minimizar o acúmulo de poeira, a Copasa irá intensificar, durante a manutenção da bacia, a disponibilização de caminhões-pipa duas vezes ao dia, às 10h e às 16h, e a colocação de telas nos mesmos. Caso isso não ocorra, a empresa prestadora de serviço será notificada. Também será revisto o nível da bacia no projeto, para que a água não invada a avenida e o comércio. O gestor informou, ainda, que qualquer intervenção será, anteiromente, comunicada à comunidade, incluindo cronograma, período e custos.  

Destacando que a Administração Regional Barreiro é o canal de entrada de todas as demandas, o coordenador da Regional, Walmir Matos, pediu aos moradores que façam suas denúncias, para que se efetive a fiscalização.  

Rede de esgoto

Requerente da visita, o vereador Irlan Melo cobrou da Copasa uma avaliação das residências e empresas que vêm lançando indevidamente esgoto na bacia, para que sejam multadas.

Segundo a Copasa, na região, há lançamento de esgoto industrial na rede, mas a fiscalização é de responsabilidade da prefeitura e da Vigilância Sanitária. No caso da Bacia Olaria, há lançamento de esgoto doméstico, já que alguns trechos não possuem rede de esgoto.

O parlamentar propôs, ao final da visita, a realização de uma audiência pública na comunidade, para que seja resgatado o projeto da bacia e para que sejam discutidas ações previstas e não executadas.

Bairro Betânia

Em seguida, a comitiva parlamentar seguiu para a Avenida Maria Júlia de Lima, no Bairro Betânia, para avaliar o estado de conservação das árvores de grande porte da região. Segundo os moradores, as árvores encontram-se com as raízes expostas e paralelamente às raízes existe uma rede da Copasa.  Conforme relatos, com as ventanias e a chegada das chuvas, as árvores tombam, apresentando risco de queda. Na visita, foi solicitada a poda e supressão de uma das árvores, sendo sugerido, ainda, que  a comunidade se responsabilize por cuidar do canteiro, ou seja, adote o local.

De acordo com o gerente de Infraestrutura Urbana Oeste (Gerurb), Maurício Fonseca Brandão, as referidas demandas foram registradas no Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC), na Copasa, em abril e junho deste ano. Ele informou que já foi feita uma avaliação técnica pela Gerurb  e que a comunidade já obteve retorno dessa avaliação. Segundo ele, o laudo estabelece11 árvores para poda e 1 castanheira de grande porte para supressão na avenida. As medidas já estão incluídas na programação da PBH.  

Quanto ao risco das árvores danificarem a rede da Copasa, Dênis Lúcio dos Santos, representante da Companhia, afirmou que essa análise depende de avaliação técnica da PBH. Se as árvores caírem, podem danificar a rede da Copasa; se não, a adutora não corre risco de ser afetada.

Ao final da visita, o vereador Irlan Melo informou que a Comissão irá aguardar um prazo para que sejam executadas as ações propostas e que fiscalizará a implantação das medidas.

Superintendência de Comunicação Institucional

 

Visita técnica para verificar as condições e apurar a retirada de terra na bacia Olaria Jatobá - Comissão de Meio Ambiente e Política Urbana