TRANSPORTE E SISTEMA VIÁRIO

Em audiência, comissão vai discutir ampliação de voos na Pampulha

Proposta é tratar dos impactos do aumento de pousos e decolagens no dia a dia das comunidade do entorno 

quinta-feira, 9 Março, 2017 - 17:30
Foto: Abraão Bruck/Câmara de BH

A possibilidade de reativação de voos no aeroporto da Pampulha tem gerado intensos debates na cidade. Em visto disso, a Comissão de Desenvolvimento Econômico, Transporte e Sistema Viário vai realizar audiência pública no próximo dia 30 de março, às 13h30, no Plenário Helvécio Arantes. A decisão foi tomada em reunião realizada pelo colegiado nesta quinta-feira (9/3), quando foi rejeitado parecer favorável à criação do aplicativo de táxi 197.

A ampliação do número de voos na Pampulha é polêmica. Grupos favoráveis à mudança argumentam que medida pode facilitar o dia a dia de quem depende do transporte aeroviário, enquanto moradores e associações de bairro do entorno do equipamento receiam o aumento do poluição sonora e o agravamento de problemas ambientais. Requerente da audiência que vai debater o tema, o vereador Professor Wendel Mesquita (PSB) explica que o objetivo é conhecer e avaliar os impactos da eventual retomada dos voos, iniciativa importante para garantir os direitos de todos os envolvidos.

Já no dia 31 de março, por requerimento do vereador Carlos Henrique (PMN), a comissão vai discutir com a BHTrans as regras para o tráfego e o estacionamento de veículos no entorno da Câmara Municipal. O objetivo é esclarecer e discutir as normas em vigor, além de debater possibilidade de melhorias na sinalização nas Avenidas Churchil e dos Andradas e nas Ruas Tenente Anastácio de Moura e Expedicionário Nilo Seabra, no Bairro Santa Efigênia.

Aplicativo de táxi

Em 1º turno, a comissão rejeitou o parecer pela aprovação ao PL 2017/16, de autoria do ex-vereador Vilmo Gomes, que sugere a criação do aplicativo de táxi 197, a ser gerido pela prefeitura. O objetivo da proposta é criar novas alternativas de geração de renda para taxistas credenciados pela PBH enquanto não chega a termo o debate sobre a legalidade de aplicativos como Uber e similares. Relator do PL, o vereador Jair di Gregório (PP) defendeu o parecer pela rejeição argumentando que já estão cadastrados na BHTrans outros 14 serviços de agenciamento de táxi, o que torna desnecessário o dispêndio de recursos humanos e financeiros da prefeitura para o cumprimento da tarefa. Mesmo com o parecer desfavorável o texto continua tramitando nas comissões, antes de ser submetido a votação em Plenário, em 1º turno.

Estiveram presentes na reunião os vereadores Bispo Fernando Luiz (PSB), Carlos Henrique, Elvis Côrtes (PSD) e Wesley Autoescola (PHS).

Superintendência de Comunicação Institucional