MOSQUITOS COLONIZADOS

Em audiência, secretário de Saúde anunciou nova arma no combate à dengue

O gestor apresentou relatório detalhado dos investimentos do Sistema Único de Saúde (SUS) entre os meses de janeiro e abril de 2019

quinta-feira, 30 Maio, 2019 - 13:45
gestores municipais e vereador compõem mesa de reunião
Foto: Heldner Costa/ CMBH

“Belo Horizonte vai ser o primeiro município a produzir mosquitos colonizados para o combate a dengue”. Foi o que anunciou o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado, em audiência pública realizada nesta quarta-feira (29/05), convocada pelo presidente da Comissão de Saúde e Saneamento da Câmara de BH, vereador Bim da Ambulância (PSDB). Atendendo às determinações do Art. 36 da Lei Complementar nº 141/ 2012, o secretário apresentou aos vereadores um relatório simplificado das atividades do Sistema Único de Saúde (SUS) no 1º quadrimestre de 2019.

Jackson Machado informou que está sendo construído um insetário, na região da Pampulha, que vai produzir dois milhões de “mosquitos colonizados”. A técnica consistiria em infectar o mosquito Aedes aegypti com a bactéria Wolbachia, que teria capacidade de reduzir a replicação do vírus dentro dos insetos e inibir a transmissão pelo mosquito vetor.

Prestação de contas do quadrimestre

Em balanço sobre as atividades dos primeiros quatro meses do ano, o secretário mostrou o crescimento dos investimentos na área de Saúde, quando comparados ao mesmo período do ano passado. “Investimos mais do que os 15% que a lei determina. O atual governo foi o que mais investiu na Saúde, na história de Belo Horizonte”, destacou.

Para as atividades no combate à dengue, o secretário informou que foram contratados 1, 2 mil profissionais de saúde, sendo 200 médicos. O gestor contou que foram desenvolvidas ações conjuntas com outras entidades para atendimento e contenção da doença e criadas duas equipes volantes de combate. Em relação ao combate a zika e chikungunya não houve alteração nos investimentos em relação ao ano passado.  Foram ampliados investimentos nos 28 hospitais da rede municipal, sendo dois públicos e 26 conveniados, e nas ações assistenciais às populações vulneráveis. A Prefeitura reconheceu que a campanha de vacinação contra a gripe não atingiu os índices desejados e vai ser prorrogada.

Segundo Jackson Machado, estão sendo pleiteados, junto ao Governo Federal, recursos para a reposição da frota de ambulâncias, “que é uma das principais demandas de Belo Horizonte”, afirmou. Para ele, apesar dos avanços registrados, a falta de recursos “para atender às muitas prioridades da capital” é um dos maiores gargalos.

Redução salarial e Mais Médicos

O presidente do Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte, Bruno Abreu Gomes, questionou o secretário sobre os salários dos novos profissionais contratados e recontratados, que teriam sofrido redução expressiva. O representante abordou também o problema da possível extinção do Programa Mais Médicos nas grandes cidades.

Jackson Machado respondeu que existe o princípio da isonomia, “mas a prerrogativa para definir salário é da Secretaria de Planejamento”. O gestor garantiu, porém, que, “se houver alguma redução, ela vai ser mínima”. E em relação ao Programa Mais Médicos informou que Belo Horizonte formalizou a adesão ao programa. “Mas existe uma determinação em reduzir o Mais Médicos nas grandes cidades”, reconheceu Machado. O gestor afirmou que já está sendo estudada a possibilidade de abrir os Centros de Saúde após as 18h, “mas existe a questão da segurança. A curva de atendimento nos postos cai drasticamente após esse horário”, ponderou.

Também participaram da reunião os vereadores Fernando Borja (Avante), Hélio da Farmácia (PHS), Dimas da Ambulância (Pode) e Catatau do Povo (PHS); Taciana Malheiros, secretária adjunta de Saúde; Laura Luzaro Comey, do Conselho Municipal de Saúde, e Waldir Ribeiro de Almeida, do Conselho Municipal de Saúde Pampulha.

Assista ao vídeo da reunião na íntegra.

Superintendência de Comunicação Institucional

Audiência Pública: discutir sobre relatório detalhado relativo ao 1º quadrimestre/2019 a ser apresentado pelo gestor do SUS no município. - 14ª Reunião Ordinária -  Comissão Saúde e Saneamento