MEIO AMBIENTE

Falta de segurança é principal problema do Parque Nossa Sra. da Piedade

Questão foi tratada em visita técnica ao local, quando foi solicitada presença mais efetiva de forças policiais e monitoramento eletrônico

sexta-feira, 14 Dezembro, 2018 - 18:30
alta de segurança é principal problema do Parque Nossa Senhora da Piedade
Foto: Rafa Aguiar/CMBH

São 59 mil m² de muito verde, lago alimentado por nascentes, academia a céu aberto, pista de cooper e skate, quatro quadras poliesportivas e outros equipamentos. Esse é o Parque Nossa Senhora da Piedade, criado em 2008 e localizado na Rua Rubens de Souza Pimentel, 750, no Bairro Aarão Reis (Região Norte de Belo Horizonte). Entretanto, a questão da segurança pública, inclusive com ação de vândalos e uso de drogas, vem preocupando os vigias e a Fundação de Parques e Zoobotânica, que administra o local. O problema foi percebido durante visita técnica da Comissão de Meio Ambiente e Política Urbana, realizada nesta sexta-feira (14/12) a pedido do vereador Edmar Branco (Avante). Foram vistas grades e mourões que cercam o parque destruídos e portões que não fecham completamente ou são mal utilizados. 

As laterais do Parque, fechadas com cercas de concreto e, em alguns locais críticos, até com telas de arame e mourões de eucalipto, são constantemente destruídas por vândalos, conforme relatos de moradores e responsáveis pelo equipamento público. Outros comportamentos ilícitos foram especificados: além do uso de drogas, pesca e nado no lago, quebra de bancos e presença de cachorros. “A situação do parque é boa. É a má utilização dos usuários que causa alguns transtornos, como o vandalismo”, afirmou o gerente de parques das Regionais Norte e Venda Nova, Fábio Silveira da Cruz, responsável direto pelo Parque Nossa Senhora da Piedade.  

Entretanto, foi constatado que a equipe que monitora Parque é pequena – apenas 12 pessoas, sendo dois vigias por turno, seis no total. “Estamos precisando da Guarda Municipal aqui. Toda vez que eu venho aqui tenho reclamação, ou vão à minha casa reclamar, porque estão com questões de segurança pública e falta de funcionários”, contou a voluntária do Projeto Manuelzão e do Subcomitê de Bacias Hidrográficas do Ribeirão Onça, Maria José Zeferino, que mora há 60 anos nas redondezas. Ela lembrou a importância do local para as bacias, afirmando que as nascentes do Parque contribuem para o Ribeirão do Onça na Via 240.

Guarda Municipal e PM

Além da presença efetiva da Guarda, os presentes pediram a implantação de um ponto de apoio da Polícia Militar e câmeras de monitoramento (Olho Vivo) as quais, conforme relatos, foram previstas no Orçamento Participativo, mas nunca foram implantadas. Segundo o guarda municipal José Geraldo Rocha dos Santos, o efetivo atualmente só realiza rondas no local e atende a chamadas específicas, devido ao deslocamento de guardas para outras instituições e aumento das atribuições: “Hoje a Guarda abraça, além da segurança pública, a fiscalização do Código de Posturas, o trânsito, o patrulhamento preventivo nas vias...”, enumerou. Ainda de acordo com ele, a corporação só possui uma viatura e duas motocicletas para a patrulha de toda a Regional Norte.

O gerente da Secretaria de Administração Regional Municipal Norte, Humberto Bernardes, reconheceu a importância do Parque Nossa Senhora da Piedade e garantiu que fará um relatório sobre a necessidade de implantação de um ponto de apoio para a PM e a atuação da Guarda Municipal, juntamente com o monitoramento eletrônico. O documento será enviado ao Gabinete do Prefeito e à Fundação de Parques.

Já o sargento da PM Rodrigo Neves alertou para a importância da participação da comunidade na garantia da segurança. Segundo ele, a Polícia marca reuniões do Conselho Comunitário de Segurança Pública (Consep), mas as pessoas não comparecem. Ele também citou a criação de um grupo de WhatsApp para conscientizar a comunidade. “Fazemos patrulhas preventivas para manter a segurança e prevenir. Mas estamos enxugando gelo porque, quando a gente pega as pessoas aqui, no crime, e a gente precisa de uma testemunha somente para comprovar que a pessoa estava utilizando drogas, por exemplo, para conduzir essa pessoa, todos viram as costas para a PM”, disse.

Encaminhamentos

O vereador Edmar Branco concordou que a participação da comunidade é indispensável: “A comunidade precisa se organizar para cobrar, mas tem momento que quem vai dar a solução é a própria comunidade”. Ele afirmou que, ainda em dezembro, a Comissão entregará um relatório sobre as necessidades do Parque para a Prefeitura, a Polícia Militar e a Guarda Municipal, inclusive com a demanda do Olho Vivo. O parlamentar também prometeu, para o início de 2019, uma reunião sobre o mesmo tema com a secretária Municipal de Assuntos Institucionais e Comunicação Social e interina de Governo, Adriana Branco Cerqueira, e a Secretaria Municipal de Segurança e Prevenção.

Superintendência de Comunicação Institucional

 

Visita técnica para saber as condições em que se encontra o Parque Nossa Senhora da Piedade - Comissão de Meio Ambiente e Política Urbana