ENQUETE

Portal da Câmara de BH abre consulta pública sobre Aeroporto Carlos Prates

Qualquer cidadão já pode opinar sobre a permanência ou transferência do aeroporto; para participar basta fazer um breve cadastro

quarta-feira, 11 Dezembro, 2019 - 15:15
Foto: Aeroclube do Estado de Minas Gerais

Pauta de destaque na cidade nas últimas semanas, a queda de um avião no Bairro Caiçara, no último mês de outubro (21/10) - que matou quatro pessoas e deixou outras duas feridas – fez ressurgir o debate sobre o possível fechamento e a transferência do Aeroporto Carlos Prates instalado na região. Nesse contexto, a Comissão de Desenvolvimento Econômico, Transporte e Sistema Viário convida a população da capital a se posicionar a respeito da medida no Portal da Câmara. Está no ar uma enquete com a seguinte pergunta: “Qual a sua opinião sobre a permanência ou transferência do Aeroporto Carlos Prates?”. Os participantes têm cinco opções de respostas, envolvendo possíveis destinos para o aeroporto. Para participar, o usuário deve fazer um breve cadastro no Portal, registrando nome, email e CPF, além de aceitar os Termos de Uso.

A partir do questionamento, os internautas podem escolher uma entre as seguintes respostas: Permanência no local, com maior restrição nos horários de funcionamento e fiscalização/ Permanência no local, mantendo atual horário de funcionamento/ Transferência para outra região de Belo Horizonte/ Transferência para outro município de Minas Gerais/ Transferência das atividades para outro aeroporto já em funcionamento. Após registrar a sua opinião, o usuário poderá acessar o resultado parcial da votação, tanto em números absolutos, quanto em valores relativos.

Presidente da Comissão, Wesley Autoescola (PRP) conta que a iniciativa é resultado de audiência pública, realizada no início de novembro (7/11), quando os moradores locais denunciaram a situação de insegurança vivida pela comunidade e propuseram a realização de uma consulta pública, pelo Portal da Câmara de BH, para avaliar a mudança. Naquela ocasião, empresários das escolas de aviação que atuam no aeroporto se solidarizaram com a angústia dos moradores, mas pediram atenção ao destino das escolas em caso de um possível fechamento.

Clique aqui para participar da enquete.

Saiba mais sobre o assunto:

O Aeroporto Carlos Prates não recebe grandes aviões comerciais, sendo voltado para operação de voos particulares e para formação de pilotos, inclusive por meio do Aeroclube do Estado de Minas Gerais.

Entre os locais sugeridos para abrigar as atividades do Aeroporto Carlos Prates, estão Cordisburgo (a 100 km de BH), Betim (30 km) ou mesmo o Aeroporto da Pampulha, no vetor norte de Belo Horizonte. A comunidade do Carlos Prates e Caiçara entende que essas áreas têm espaço menos adensado na vizinhança, o que minimizaria os impactos de possíveis acidentes.

Advogado dos empresários do Carlos Prates, Sérgio Mourão lembrou na audiência que esse tipo de aeroporto urbano existe em diversos lugares do mundo - como é o caso do Aeroporto de Congonhas, na cidade de São Paulo (SP) – e a ocorrência de acidentes pontuais não seria motivo para fechar o equipamento. O advogado alertou que a transferência do aeroporto apenas transferiria o risco para outro local, atuando sobre o sintoma e não sobre o problema. Para ele, o fechamento do aeroporto não seria uma maneira razoável de se evitar acidentes.

Diretor da VelAir - Escola de Aviação Civil que atua no local, Estevão Valesques lembrou que muitos dos seus alunos são estudantes do curso de Engenharia de Aviação, na universidade Fumec (Região Centro-sul de BH) e que a mudança para outro município dificultaria o acesso às aulas. Também operando no local, Francisco Pio, diretor da Starflight – Escola de Aviação Civil, alertou para os impactos do fechamento para os funcionários que trabalham nas quatro escolas e demais serviços que funcionam no aeroporto.

Superintendência de Comunicação Institucional