CENTRO DE SAÚDE

Setenta e cinco por cento dos usuários da unidade Vila Pinho vivem em extrema pobreza

Uma unidade mais bem equipada está prevista para funcionar em 2021; enquanto isso, usuários encontram limitações de infraestrutura

terça-feira, 10 Setembro, 2019 - 19:15
Foto: Bernardo Dias / CMBH

Com limitações de espaço e alta rotatividade de profissionais, o Centro de Saúde da Vila Pinho, no Vale do Jatobá (Região do Barreiro), atende cerca de 16 mil habitantes, dos quais 75% são pessoas com elevado ou muito elevado risco de vulnerabilidade social. A situação foi conferida em visita técnica da Comissão de Saúde e Saneamento, nesta terça-feira (10/09), por solicitação do vereador Hélio da Farmácia (PHS). A Prefeitura explicou que uma nova unidade, maior e com mais equipes, está sendo construída e deve estar em funcionamento em 2021.

“É o Centro mais vulnerável da Regional; 75% dos nossos usuários são pessoas com elevado e muito elevado riscos de vulnerabilidade social e que vivem em extrema pobreza”, constata o gerente da unidade, Bruno César Saldanha.  Ele explica que os riscos de vulnerabilidade social estão classificados em quatro faixas: baixo, médio, elevado e muito elevado.

A unidade funciona em um prédio com aproximadamente 280 m², com oito consultórios médicos. São quatro equipes básicas, com jornada semanal de 40 horas, para atendimento ao público. Cada uma é formada por um médico do programa Saúde da Família, um enfermeiro; dois técnicos em enfermagem e quatro Agentes Comunitários de Saúde (ACS). Conta também com dois médicos clínicos de apoio, com jornada de 20 horas semanais, dois ginecologistas, com carga horária de 12 horas por semana, e um enfermeiro de apoio.

“Existe uma vaga para um pediatra, mas não estamos conseguindo preencher”, lamenta Saldanha. Funcionam, ainda, na unidade um setor de zoonoses, com seis Agentes de Controle de Endemias (ACE); um setor odontológico com três dentistas,  um técnico em saúde bucal(TSB) e três Agentes de Saúde Bucal (ASB)  e uma farmácia.

Limitações

O centro apresenta uma série de problemas estruturais: falta acessibilidade, banheiros são insuficientes, espaço pequeno entre os consultórios e alta rotatividade de profissionais. “As condições físicas estão longe de ideais. Só uma nova unidade vai resolver o problema”, avaliou a assessora técnica da Regional Barreiro, Maiari Silvério. Segundo ela, uma nova unidade já está sendo construída com “uma estrutura padrão do Ministério da Saúde, que prevê expansão da unidade em função do crescimento populacional”.  O novo centro vai abrigar seis equipes básicas de atendimento e está previsto para funcionar em 2021.

Maiari Silvério informou que o Barreiro possui 20 centros de saúde e que funciona entre elas uma “rede de ajuda que ameniza o problema de rotatividade dos profissionais de saúde na região”.

Superintendência de Comunicação Institucional

Visita técnica para averiguar as condições de funcionamento do Centro de Saúde Vila Pinho - Comissão de Saúde e Saneamento